Lebução fica situada em lugar alto e aprazível, na margem esquerda do rio Calvo, entre montanhas onde o tempo guardou riquezas e mistérios. A 25km da sede do concelho, goza de um clima de montanha com invernos frios, verões quentes e de paisagens deslumbrantes.

É uma aldeia tradicionalmente vocacionada para a agricultura (centeio, batata, castanha e vinho) e para o comércio de largas tradições. Em tempos remotos, Lebução, foi o centro das transacções comerciais de uma enorme área circundante, que se efectuavam por troca directa de produtos.

Monumentalmente, a Igreja abraça, do alto das suas torres sineiras, todo o casario disposto em anfiteatro e chama os fiéis à oração. É obra da renascença, de muros altos e bem alinhados, construção de uma só nave. O retábulo do altar-mor, é de apreciável valor artístico, com colunas salomónicas e motivos ornamentais e simbólicos, realçando as arquivoltas que guarnecem a abóbada polícroma da tribuna.O Orago da freguesia é S. Nicolau, mas a principal referência religiosa desta terra é Nossa Senhora dos Remédios, que tem o seu dia no calendário religioso - 8 de Setembro.

Aqui, como em todo o Nordeste de Portugal, usa-se uma linguagem oral, um conjunto de termos e expressões que, pouco a pouco, se vão perdendo com a partida dos mais idosos.

A hospitalidade está presente nas vivências diárias, marcadas por um espírito de partilha e solidariedade. A porta das casas de Lebução está sempre aberta para receber, à boa maneira transmontana, "quem vier por bem".


A ideia deste Blogue, surgiu da necessidade de preservar a identidade desta comunidade, aproximando todos os Lebuçanenses da sua terra natal.

A feira do Folar de Valpaços

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

O papa Francisco lamenta que algumas pessoas sintam compaixão pelos animais, mas depois mostrem indiferença perante as dificuldades de um vizinho

                                                                              Foto retirada da Internet


O papa Francisco lamenta algumas pessoas sintam compaixão pelos animais, mas depois mostrem indiferença perante as dificuldades de um vizinho, numa reflexão sobre o conceito de “piedade” durante uma audiência geral na Praça de São Pedro.
Francisco falava perante dezenas de milhares de pessoas, debaixo de chuva, naquilo a que se chama uma audiência jubilar, cerimónia que se realiza um sábado por mês, e alertou que não se deve confundir a piedade com a comiseração hipócrita.
O papa disse que é preciso “não confundir a piedade com a comiseração, que consiste apenas numa emoção superficial, que não se preocupa com o outro”, afirmou.
E perguntou: “Quantas vezes vemos pessoas que cuidam de gatos e cães e depois deixam sem ajuda o vizinho que passa fome?”
“Não se pode confundir com a compaixão pelos animais, que exagera no interesse para com eles, enquanto fica indiferente perante o sofrimento do próximo”, acrescentou.
O papa explicou aos fiéis que, para Jesus, sentir piedade é “compartilhar a tristeza de quem se encontra, mas ao mesmo tempo agir na primeira pessoa para transformá-la em alegria”.




















































terça-feira, 23 de agosto de 2016

PORTUGAL FAZ HOJE 836 ANOS

Foto retirada da internet


Neste mesmo dia, em 1179, o Papa Alexandre III emite a bula “Manifestis Probatum” em que reconhece Portugal como reino. São os 836 anos de Portugal.

Parabéns Portugueses! Portugal faz hoje oficialmente 836 anos.

Neste mesmo dia, em 1179, o Papa Alexandre III emite a bula “Manifestis Probatum” em que reconhece Portugal como reino independente. Esta bula declarou o Condado Portucalense independente do reino de Leão e, D. Afonso Henriques, o seu soberano. Reconheceu, ainda, a validade do Tratado de Zamora, assinado a 5 de de Outubro de 1143 em Zamora, pelo rei de Leão e por D. Afonso Henriques.



















































sábado, 20 de agosto de 2016

Festa nas Bouças em honra da Senhora dos Remédios







Ontem foi festa nas Bouças, um lugar alto, bem situado na margem do Rabaçal.
Neste lugar, lindo de morrer, moram quatro pessoas. Ontem, porque era festa, havia "muita gente"

Há dias que andava a organizar-me para estar presente na Missa e Procissão, dessa pequena aldeia, que. quando acorda, dá de caras com o rio, onde se reflecte.

Aconteceu-me como na história do Anjinho Dorminhoco, que quando chegou, o Natal estava pronto.

Ainda deu para registar certos momentos, nomeadamente o leilão das flores.


















































sexta-feira, 19 de agosto de 2016

No dia Mundial da Fotografia





No dia Mundial da Fotografia, escolhi esta, para postar no Blogue Lebução de Valpaços. E fiz essa escolha apesar de reconhecer que este não é o meu melhor registo fotográfico. No entanto a minha escolha recaiu sobre esta, no dia mundialmente dedicado à fotografia. As imagens que nós registamos, em qualquer hora, em qualquer lugar, não podem ser dissociadas das histórias que fortalecem esses registos, que lhes dão mais consistência, mais vida.

Portanto, aqui está o meu contributo.















































quarta-feira, 17 de agosto de 2016

O sol cada vez mais pálido, mais esbatido, ia desaparecendo

                                     Foto de Ismael Teixeira


Havia uma lua, prestes a aparecer, brincando às escondidas com o sol. Encantada, estava a lua, com o ribeiro, com o reflexo das árvores e dos juncos esguios. Com os grilos, com as cigarras, e os seus cantares ao desafio.

Havia o silêncio, a paz, e os chocalhos do rebanho.

O sol cada vez mais pálido, mais esbatido, ia desaparecendo lá longe, para trás dos montes.

Agora só se ouviam as gargalhadas da menina, abraçada às ovelhas, que permaneciam paradas à espera do afago, das carícias, daquelas mãos pequeninas.

O dia, ia-se esfumando, lá para a serra de Santa Comba, enquanto nós, embebecidos, contemplávamos este quadro de rara beleza, iluminado pelos raios mortiços dum sol quase lua.

Lá longe, muito longe, os contornos dos montes, cada vez mais escuros.

Talvez não haja história para contar. Havia apenas uma menina, implantada na natureza. Tudo o resto, eram detalhes dum quadro, pintado pelas mãos do Criador.















































terça-feira, 16 de agosto de 2016

Para atravessar contigo o deserto do mundo





 Para Atravessar Contigo o Deserto do Mundo


Para atravessar contigo o deserto do mundo 
Para enfrentarmos juntos o terror da morte 
Para ver a verdade para perder o medo 
Ao lado dos teus passos caminhei

Por ti deixei meu reino meu segredo 
Minha rápida noite meu silêncio 
Minha pérola redonda e seu oriente 
Meu espelho minha vida minha imagem 
E abandonei os jardins do paraíso

Cá fora à luz sem véu do dia duro 
Sem os espelhos vi que estava nua 
E ao descampado se chamava tempo

Por isso com teus gestos me vestiste 
E aprendi a viver em pleno vento

Sophia de Mello Breyner Andresen,